quarta-feira, 14 de junho de 2017

Otimização de processos: Ação que pode salvar sua empresa em tempos de crise.

O país se encontra em um momento de retração econômica com previsão não muito satisfatória para seu término. Em tempos críticos como este, um número alarmante de empresas se encontra no vermelho ou a ponto de fechar suas portas, isto é, decretar falência, independentemente de seu porte. Porém, microempresas e pequenas empresas têm sido as mais atingidas pela crise que assombra a economia do país. Contudo, nem toda a esperança está perdida.
Neste cenário crítico que muitas empresas se encontram, conhecimento empresarial, ajustes, plano de ação, disciplina, integração, inovação e consolidação das ações se fazem necessários para que a empresa consiga resolver seus problemas e então se recuperar e voltar, gradativamente, aos resultados que antes tinha.

Conhecimento empresarial

É de extrema importância que o gestor tenha conhecimento empresarial e, sobretudo, conhecimento do mercado com o qual atua. É importante conhecer as necessidades do cliente e atendê-las, ainda mais em um mercado cada vez mais competitivo.
Também, é importante que o gestor tenha conhecimento de ferramentas que o auxilie na administração de sua empresa e como operá-las.
Muitos gestores, por não terem conhecimento necessário de ferramentas administrativas, ferramentas estas que auxiliam no planejamento e estratégias, acabam agindo incorretamente ou simplesmente não agindo, deixando assim sua empresa prestes a uma queda livre.
Para resolver este problema, cada vez mais cresce o número de empresas que optam por gestão interina ou contratação de empresas terceirizadas para realizar seus trabalhos administrativos. A maior vantagem desses serviços é que sua empresa pode contar com profissionais altamente capacitados e o alcance dos objetivos é de curto prazo, geralmente de 06 a 18 meses.

Ajustes

Primeira idéia de ajuste em momentos de crise é o financeiro. Repensar em gastos administrativos, financeiros e comerciais. Nesta fase, adequar o quadro de pessoal é comumente um dos primeiros passos a ser tomado. Recalcular o número de funcionários e obter resultado. Muitas empresas aderem ao fato de reduzir pessoal e atingir, com os funcionários mais promissores, os objetivos de reestruturação financeira.
Contudo, não adianta puxar de um lado e largar de outro. É preciso repensar e analisar todos os gastos da empresa. Uma pergunta importante nesse momento é: Do que realmente necessitamos e o que é realmente essencial para nosso crescimento?

Plano de ação

Um plano de ação deve ser tomado pelo gestor para poder resolver a atual situação precária de sua empresa. Nos ajustes, já podemos verificar um pouco desse plano de ação, contudo, são medidas a ser tomadas pela necessidade atual da empresa, isto é, para que ela não quebre.
Como exemplo de planos de ação, podemos citar, no âmbito financeiro, renegociação de dívidas, reajustes de seus compromissos com fornecedores e bancos, visando renegociar suas dívidas a ponto de poder cumprir com seu compromisso visando um bom relacionamento com os mesmos.
No campo comercial, como exemplo, criar estratégias de marketing a ponto de angariar mais clientes. Com o aumento de clientes, sendo bem organizado, surge uma entrada de caixa, podendo assim equilibrar a situação financeira da empresa.
Isto é, o plano de ação se refere a toda ação que objetiva o não fechamento da empresa, preservação da mesma e reerguer seu prestígio financeiro.

Disciplina

É importante que, após um plano de ação bem elaborado, o gestor e todos os envolvidos com a administração da empresa se empenhem ao máximo em se disciplinar para colocar em prática as ações decididas. É muito fácil cair em procrastinação ou simplesmente enxergar um resquício de resultado e então deixar tudo de lado. É de suma importância que se iniciem os projetos de reestruturação administrativa e financeira da empresa e que sejam religiosamente seguido por todos.

Integração

Após serem criadas estratégias para as mudanças necessárias com o objetivo de tirar a empresa do vermelho, é necessário que todos os setores sejam integrados, isto é, todos compreendam os planos de ação e trabalhem em conjunto, visando o bom resultado das ações.
Integrar é trabalhar em conjunto.

Inovação

Algumas empresas ainda se mantêm com o mesmo produto e serviço oferecidos há décadas.
Com o mercado cada vez mais competitivo, é de extrema urgência que as empresas inovem e criem produtos mais acessíveis à realidade de seus clientes.
É muito importante, para uma empresa que está próxima a falência, aumentar o número de clientes para que assim consiga aumentar seus lucros. Um dos caminhos mais objetivos para isso é inovar e oferecer ao cliente novidades e exclusividade de produtos ou serviços.

Consolidação das ações

Por fim, após reestruturar a administração, financeiro, comercial e recursos humanos da empresa, chega a hora de consolidar essas ações, isto é, colocá-las em prática.
É importante que cada um entenda o que deve ser feito e que tenha, primeiramente, capacidade para desempenhar tal função e, definitivamente, vontade de desempenhá-la.

De nada adianta criar soluções se não colocá-las em prática e mantê-las.

Soluções que otimizam custos, aumentam a produtividade e a rentabilidade

Corte de custos: Reestruturar o financeiro da empresa visando redução de gastos e aumento de lucro.

O primeiro passo a tomar é estudar as ações até o momento e descobrir o que levou a empresa ao estado crítico financeiramente. Um estudo aprofundado, com a equipe certa, pode apontar os problemas que estão levando a baixa financeira.
Uma avaliação profunda e concreta do que a empresa arrecada e o que gasta é salutar. Uma análise de custos e despesas, levando em consideração todos os aspectos financeiros, é essencial. Após esse passo, um novo planejamento financeiro é extremamente necessário.
Então, a próxima etapa é realizar um corte de gastos. É vital que a empresa saiba usar corretamente todos os recursos dos quais dispõe, desde pequenos itens tais como uso exagerado de copos descartáveis até número de funcionários. Analisar realmente onde está sendo gasto o dinheiro da empresa e como melhor utilizar esses recursos.
O segredo do sucesso não se dá pelo número de seguidores, mas sim no grau de comprometimento de cada um. Logo, uma revisão do quadro de funcionários também é fundamental. Diminuir gastos com funcionários com baixa produção e possivelmente contratar terceirizados seja uma boa opção, além do fato que terceirizados oferecem um custo menor para a empresa.
Contudo, todos na empresa devem ser conscientizados com essas mudanças necessárias e que estejam dispostos a participar ativamente.

O trabalho em conjunto: Uma empresa integrada em que todos os funcionários buscam o mesmo objetivo tem mais chances de obter sucesso.

Aí que entra o departamento de Recursos Humanos como uma ferramenta de extrema importância.
Em momentos de alta financeira de uma empresa, o RH tem papel fundamental em selecionar e treinar profissionais capacitados para desempenhar papéis importantes na empresa. Em momentos de crise, a importância do RH se torna maior.
São nos momentos de crise que o RH desempenha o papel fundamental de preparar, desenvolver e motivar profissionais capacitados para poder atingir o objetivo de reerguer a empresa.
Assim, o RH trabalha com afinco para unificar a empresa, atuando estrategicamente, propiciando entendimento para que todos compreendam a necessidade de trabalho em conjunto para atingir um único objetivo de sobreviver em meio à crise.
Uma vez que o trabalho do RH seja feito com sucesso, todos devem entender os novos procedimentos adotados pela empresa e assumir seus papéis no objetivo de atingir o sucesso de seus projetos fazendo com que a empresa atinja, também, o seu objetivo no momento de retração econômica: resultados e crescimento financeiro.

Gestores terceirizados: O investimento necessário para abrir novos horizontes.

Em um momento em que a empresa deve visar corte de gastos, por que a contratação de gestores terceirizados é uma opção? Neste caso, a empresa não deve encarar como gasto, mas sim investimento. É vital que neste momento crítico a empresa pense muito em investir em qualidade, melhoria de processos e atingir produtividade.
O gestor da empresa pode estar acostumado com a rotina da empresa e então patinar nos mesmos erros, obviamente sem ter a noção de que isso está acontecendo.
Uma vez que um gestor terceirizado seja contratado, ele terá uma visão mais ampla da situação da empresa e, como não faz parte da cultura da empresa, consegue formular ações com maior índice de eficácia.
Novamente, encare a contratação de um gestor externo como um investimento da empresa e não um gasto. Um gestor externo, além de ser mais barato e mais eficiente do que contratar um profissional como funcionário da empresa, o que gera custo e tempo com seleção e treinamento, apresenta resultados em um curto espaço de tempo, em média de 06 a 18 meses.

Dívidas: Como se livrar delas.

A primeira coisa a fazer é não mascarar a dificuldade ou ainda tentar negá-la. É importante que você a reconheça, entenda o que está acontecendo e então focar nas ações para solucionar o problema.
É essencial nesse momento ter um bom relacionamento com fornecedores e bancos.
Muitas empresas, sobretudo microempresas e pequenas empresas, encontram dificuldades em manter seus compromissos com fornecedores e bancos e ainda arcar com tarifas tributárias. É complicado renegociar dívidas tributárias devido à lei que a elas são aplicadas. Uma saída menos dolorosa para essa situação é manter um planejamento financeiro que contenha essas dívidas tributárias com prazos maiores.
Quanto aos bancos e fornecedores, manter um bom diálogo e um bom relacionamento possivelmente ajudará a empresa a negociar suas dívidas.

O futuro: Como garantir o sucesso?

O futuro pertence àquele que o preparou e consegue prever seu sucesso. Uma vez analisada a razão de estar em crise, criadas estratégias para resolver os problemas, montada uma equipe capaz e eficaz de realizar todos os projetos elaborados para a reestruturação da empresa, é hora de pensarmos no futuro.

É exatamente como a vida. Aprenda com os erros. Uma vez que sua empresa esteja estruturada novamente, aprenda com as questões que levou sua empresa ao vermelho e não repita esses procedimentos. Crie um planejamento estratégico e financeiro que faça com que sua empresa volte à estabilidade que existia antes da crise e, a partir dela, comece a aumentar seu lucro.